sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O Olhar em Construção

Essa mostra é fruto de uma ação educativa do Museu da Casa das Onze Janelas em parceria com o arte-educador Valério Silveira, que teve como linguagem trabalhada a fotografia artesanal. A ação iniciou num bate-papo informal em uma das visitas do arte-educador ao museu. A Mostra "O Olhar em Construção" abre as portas no dia 28 de dezembro de 2010 e irá até janeiro de 2011, na Casa das Onze Janelas.
A exposição reúne fotografias pin holes feitas com caixinha de fósforos somada a um filme 35mm colorido, e que foram capturadas durante o processo educativo.


Esta é parte do texto escrito por Valério Silveira, confira o texto completo no blog dele, e tambem na exposição. 
Algumas fotos tambem estão disponiveis para visualização no blog do Valério Silveira:

http://maquinaluz.blogspot.com/2010/12/o-olhar-em-construcao.html

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Contraste entre a riqueza e sujeira urbana

Foto: Manuel Dutra

Belém, conhecida como metrópole da Amazônia, é o contraste entre a riqueza e a sujeira urbana. O crescimento vertical e a aglomeração urbana, no centro da cidade que já é tão pequeno, resultam na acumulação de lixo. Os moradores dos prédios não parecem se incomodar com o fato de que todos os seus dejetos produzidos nas alturas vão parar no canal a sua frente que corre em direção a Baia do Guajará. O que se observa é o descaso com o saneamento básico, que mesmo num bairro de elite ainda apresenta condições precárias.

Ainda tem o fato de que todos esses prédios são construídos em uma área de mangue, e o canal da Avenida Visconde de Souza Franco alaga assim como muitos outros espalhados pela cidade. Isso acontece ano após ano, durante a estação das chuvas e nada foi feito para mudar essa realidade.

Os prédios crescem desordenadamente, e a sujeira cresce em proporções absurdas. Mas mesmo assim um luxuoso shopping foi construído as margens de um esgoto a céu aberto. As mudanças feitas na área foram somente no sentido das vias, e com isso o novo shopping tornou-se o mais novo morador da Avenida Visconde de Souza Franco a despejar sua contribuição de sujeira na Baia do Guajará.

Blog do Professor e Jornalista Manuel Dutra: 
http://blogmanueldutra.blogspot.com/

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Meu Flickr

Gente criei um Flickr pra poder colocar a disposição de todos que quiserem apreciar o resultado da minha mais nova paixão: a fotografia. Seja ela digiatal, analógica, profisional ou amadora; eu estou encantada. Espero que vocês tambem gostem

Clique na imagem pra ir pra a minha pagina no Flickr.

Link da minha pagina: http://www.flickr.com/photos/debb_cabral/

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Teoria critica em ação.wmv



Trabalho feito para a disciplina Teorias da Comunicação, da professora Celia Amorin, no 2° semestre de Jornalismo na UFPA. Seu objetivo era mostrar a importancia da teoria critica, e fazer a critica a ela. Trabalho realizado com Joice Ribeiro, João Batista, Juliana Angelin, Fernanda Libdy, Landara Mendes, Tiago Santos, e com os nossos agradecimentos à Edge Veniale que terminou de editar e finalizar tudo o nosso trabalho. Obrigada Edge.


Link do video no You Tube:
http://www.youtube.com/user/DebbCabral?feature=mhum#p/a/u/0/Zvh55Mam2ik

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Porque é necessário respeitar as leis na escola?

A jovem escritora, minha irmã, Dalissa 
Cabral
Assim como milhões de pessoas, eu tambem vou à escola, e que o objetivo maior é aprender todo mundo sabe, mas o que adianta aprender se não respeitar as coisas?

Horarios, modo de se vestir, é tudo para nos fazer entender que temos que viver em regras para termos o equilibrio social. Temos que ter o bom senso nessas horas; o uso do boné é proibido porque a escola acha que quem usa é bagunceiro(a), que não respeita o ambiente escolar, mas as vezes é só questão de estilo como diz a entrevistada Deborah Rabelo quando é questionada sobre o uso do boné, "é uma questão de mostrar seus estilo".

Se a escola conversasse sobre o uso do boné talvez os alunos entendessem  porque a a escola não quer.

O boné não é a unica queixa da escola, como mostra o texto "Regras, sim!" e Alanna Della Nina, o texto diz que aparelhos com musicas e as "namoradinhas" são uns dos campeões de queixas pelos professores, atrapalham as aulas e causa das quedas de rendimento escolar.

Não  vejo nenhum problema no uso do boné ou outro assessorio, claro que não passe dos limites; e com uma boa conversa, com certeza chegaremos a um concenso.

Dalissa Cabral Rabelo
 

Ps: Gente a Dalissa Cabral é minha irmã e esse texto ela fez na escola dela a pedido da Professora Ercilina Martins, eu gostei do texto e publiquei, tambem queria parabenizar pela iniciativa da professora de debater esse assunto, em que na maioria das vezes só é imposto ao aluno a vontade da escola.

Ps2: O texto referido é da Revista Yesteen, eu tentei contato com a revista para obter as informações sobre o texto já que a minha irmã só tinha a copia da pagina que foi entregue em sala de aula, mas ninguem me respondeu, então não sei o ano nem a edição que saiu. Mas quem quiser pode entrar em contato comigo via email que eu mando uma copia.

Blog da Escola Augusto Olimpio onde ela estuda:
http://blogandocomoaugustoolimpio.blogspot.com/

terça-feira, 16 de novembro de 2010

1° Semana de Comunicação do Lar de Maria: "A comunicação e o 3° setor: praticas e responsabilidade social" (2° e 3° dia)

O segundo dia teve como enforque a Responsabilidade Social do Jornalista, e contou com a participação de Luiza, assistente social do Departamento de Promoção Social do Lar de Maria, que apresentou os trabalhos da instituição, que visa a inclusão social, solidariedade, respeito à diversidade e educação integral. Assim segundo ela, o Lar de Maria se configura nos seus 63 anos, como uma entidade espírita que utiliza “a religião como uma forma de se expressar”, onde “a criança não é só aquele ser cognitivo que está lá para aprender alguma coisa e sair repetindo tudo o que ouve”, mas o sujeito que tem voz e opiniões próprias.

Eduardo Rocha, jornalista da FUNTELPA e do jornal O Liberal, ressaltou a importância do diploma do jornalista, mas frisou que “a formação deve ser universitária e social”, pois “temos que aprender a pensar senão acabamos repetindo discursos, e cada termo que a gente usa fortalece um estereotipo”. O profissional que vai trabalhar com a sociedade civil organizada, tem que entender as varias nuances das questões, e não apenas ficar querendo a todo custo fazer a matéria para vender muito jornal.

José Audarte, assessor de imprensa da Radio Margarida, falou do espaço do 3° setor na mídia, sobre a falta de visibilidade ele argumentou, “nós do 3° setor reclamamos muito que não temos espaço na mídia, mas nós não sabemos cavar esses espaços”, ele falou ainda da relação com o jornalista que dá voz as ONGs, “se no meio social, no meio das ONGs, a gente consegui identificar um jornalista que trabalha com o 3° setor, ele é valorizado”. “O 3° setor ele pode, e é campo de trabalho para o jornalista”. O que muita gente, inclusive os profissionais da comunicação desconhece.

A programação encerrou com a palestra de Ramon Barros, Diretor Administrativo e Financeiro Voluntario do Lar de Maria e do Grupo Renascer, que discutiu a Responsabilidade Social e o 3° setor, frisando que “é importante que uma ONG tenha co-participação com o Estado, e nunca fazer o seu papel”. E quando se trata de obter parcerias com empresas privadas, as vontades da empresa nunca devem se sobrepor ao ideal de trabalho das ONGs, pois segundo ele “é responsabilidade nossa (dos gestores) dizer sim ou não para o Estado e para as empresas e não nos deixarmos ser levados por suas vontades”.

Assim a 1° Semana de Comunicação do Lar de Maria se configurou como uma iniciativa para que a sociedade reconheça e valorize as empresas, os jornalistas e as ONGs que são fieis a ética no seu trabalho, e apóie ações como essa de colocar em debate a responsabilidade social, que é algo que diz respeito a todos nós.

Clique na Imagem para ir para o site do Lar de Maria.

Link do site da Radio Margarida 
http://www.radiomargarida.org.br

1° Semana de Comunicação do Lar de Maria: "A comunicação e o 3° setor: praticas e responsabilidade social" (1° dia)

Com o objetivo de estimular o debate entre a comunicação e o 3° setor (ONGs). A Associação Assistencial Espirita Lar de Maria, promoveu no periodo de 8 a 12 de novembro a 1° Semana de Comunicação do Lar de Maria, que teve como tema, "A comunicação e o 3° setor: praticas e responsabilidade social".

O terceiro setor surgiu quando o poder publico não conseguiu dar mais conta de atender as necessidades da população. Rosana Barros do Grupo de Apoio à Adoção Renascer, que é resultado de um movimento nacional, frisou a necessidade de espaço na midia para que se possa enfrentar os mitos e preconceitos que giram em torno da adoção: "claro que o espaço na midia é muito importante para que a gente possa criar uma nova cultura em torno da adoção". O Renascer sente as dificulades do contato maior com os profissionais da comunicação, eles tentam manter seu site, mas não tem um comunicólogo voluntario com conhecimento na area, além disso não dispôe de uma sede propria, funcionando no Lar de Maria.

O Movimento Republica de Emaús também esteve representado atraves de Jaqueline Almeida do CEDECA, que trabalha para que os direito das crianças e adolescentes sejam respeitados e o ECA seja cumprido. Para que isso se realize, o dialogo com a imprensa é fundamental, para que todos, inclusive a propria imprensa, não trate a criança ou adolescente como inferior; eles são Sujeitos de Direito, com direito a comunicação e a participação, "se a linguagem é inerente do ser humano, a comunicação é uma condição de todos, portanto um direito humano".

Alberto Muller coordena em Barcarena o Projeto Social “Bola pra frente, educação pra gente”, da ALUNORTE, que atende as necessidades da comunidade de Barcarena, e proporciona aos jovens a oportunidade de participar de um torneio de futebol na Noruega, além de sociabilização e troca de experiências. Ele ressaltou a importância de se trabalhar com a família da criança, para que em casa se tenha a continuidade do que é trabalhado no projeto, pois “de forma alguma você vai mudar o ser humano se ele não quiser mudar, e esse alerta tem que nascer do berço e da escola”.

Iniciativas como essa fazem toda a diferença e necessitam de maior visibilidade na mídia. A ONG No Olhar trabalha com reciclagem de produtos e geração de renda, mas segundo Leandro Brito, assessor de imprensa da ONG, eles sentem uma carência de espaço para mostrar seus trabalhos, e com isso de conseguir novos parceiros, pois “algumas empresas se interessam e outras não”, e muitas desconhecem a iniciativa da ONG pela falta de foco da mídia em trabalhos desse tipo.

A segunda mesa contou com a participação de Roberto Moreira, professor do curso de Comunicação Social da UNAMA, que discutiu o ensino da comunicação e a relação com o 3° setor. Ele ressaltou a necessidade de um profissional da comunicação em ONGs, para que esse comunicador possa articular meios de maior divulgação do trabalho da ONG, para maior captação de recursos, e principalmente para que a comunidade saiba o que esta se passando. Mas “na maioria das organizações do 3° setor a comunicação ainda é menor que o ideal” principalmente porque o 3° setor interage com vários públicos, e isso é crucial.

O 3° setor tem que planejar, para isso precisa de um profissional de comunicação fazendo o plano de comunicação daquela ONG, para isso é necessário que o profissional da comunicação que trabalhe com as ONGs esteja diretamente comprometido com a causa, que deve ser aprendido desde a formação universitária do jornalista.


Clique na Imagem para ir para o site do Lar de Maria.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Falta de vagas em asilos públicos de Belém

“Nós aqui no Pará estamos carentes de casas geriátricas, hotéis geriátricos e pousadas geriátricas, em Belém só tem uma casa geriátrica em que o idoso é atendido com dignidade, que é o Pão de Santo Antônio, as outras são deficientes de tudo”, essas são as palavras de Clívia Afonso, 74 anos, paraense, que procurou no Brasil inteiro um lugar decente no qual pudesse viver tranquila com seu marido Amindas Afonso, que tem Mal de Alzheimer, e acabou por ficar em Belém a pedido dele. Mas sentiu a necessidade que há de Entidades de Acolhimento do Idoso.


No dia 1º de outubro foi o dia Internacional e Nacional do Idoso, mas em Belém não houve muito que comemorar nesse dia. O número de Instituições de Longa Permanência para Idosos do Estado é hoje insuficiente para a crescente demanda. Com listas de espera enormes e sem a qualidade de vida e a atenção necessária, muitas pessoas de idade não têm outra saída que não seja recorrer a instituições particulares. Belém conta hoje com três instituições de longa permanência para idosos (nome correto dos asilos), sendo eles o Pão de Santo Antônio, que é particular, o Abrigo Lar da Providência e a Casa Socorro Gabriel, ambas mantidas pelo Estado.

Segundo Valéria Sagica, assistente social do Pão de Santo Antônio, há três situações hoje de entrada na instituição: espontâneo, encaminhamento por orgãos públicos (Ministério Publico, hospitais) e a busca por familiares ou terceiros como vizinhos e amigos; em todos os casos, o idoso passa por uma avaliação clinica e psiquiátrica. Idosos com transtornos mentais ou psicológicos não são aceitos, pois mesmo se tratando de uma instituição particular, o Pão de Santo Antônio não tem estrutura para tratar de casos assim.

O artigo 50 parágrafo 16 do Estatuto do Idoso dá às Entidades de Atendimento ao Idoso o direito de “comunicar ao Ministério Público, para as providências cabíveis, a situação de abandono moral ou material por parte dos familiares”. Quando a família simplesmente “larga” aquele parente por não ter mais condições de cuidar dele ou por que o considera como um fardo, contribui assim para que se repitam hoje as mesmas cenas em hospitais e instituições públicas, com pessoas idosas em macas e cadeiras pelos corredores, maus tratos de funcionários, e escassez de comida e remédios.

Há muitas diferenças no tratamento oferecido ao idoso por uma Entidade pública e uma privada. No Pão de Santo Antônio, por exemplo, os idosos contam com uma boa estrutura não só de moradia, mas psicológica também. Eles pagam uma mensalidade com a própria aposentadoria, recebem visitas freqüentes de seus familiares, têm ao seu dispor uma equipe técnica composta por um clínico geral, professora de educação física, fisioterapeutas, nutricionista e terapeuta ocupacional. Alguns desses profissionais vêm de instituições que disponibilizam os materiais necessários às atividades dos idosos, como a Universidade da Amazônia.

O contrário dessa realidade pode ser vista em Instituições de Longa Permanência públicas, como o Abrigo Socorro Gabriel, localizado na Travessa Padre Eutíquio, no qual a entrevista foi negada. Em instituições como essa, o idoso só é acolhido se realmente não tiver alguém responsável e a estrutura oferecida é precária. Essa é a realidade dos idosos não só no Pará, mas do Brasil inteiro. Pessoas que já trabalharam tanto, já passaram muitas vezes por necessidades, batalharam para educar seus filhos, vivem no final de sua vida à mercê da caridade de uma minoria que se sensibiliza com tal situação.

Mais do que um lugar físico para serem acolhidos, os idosos precisam de afeto. Clívia Afonso, sentiu que no Pão de Santo Antonio o seu marido que tem Mal de Alzheimer obteve uma melhora, pois a comunicação e o bem estar refletiram na sua saúde, como dito por ela, “o ser humano não nasceu pra viver sozinho, aqui no amanhecer você já tem pra quem dar bom dia”.

Matéria feita com Camille Nascimento.
Fotos: Camille Nascimento

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Poesia "Exílio de fome"

Exílio de fome

Minha casa tem como almoço
açaí com jabá.
Os lanches que aqui como
não caem bem como os de lá.

Minha casa tem mais carinhos,
minha mãe tem mais amores.
Minha geladeira tem mais comida,
minha comida, meus amores.

Em andar sozinha pela universidade
mais prazer eu encontro lá.
Minha casa tem como almoço
açaí com jabá.

Minha casa tem meus irmãos
que tais não estudam cá.
Em andar sozinha pela universidade
mais prazer eu encontro lá.

Não permita professora que eu morra
sem que eu volte para lá,
sem que eu desfrute do meu gato
que aqui não pode entrar.
Sem que eu aviste sobre a mesa
açaí com jabá.


Texto feito a pedido da professora Livia Barbosa na disciplina Literatura e Comunicação, na hora do almoço, e a cabeça não conseguia pensar em outra coisa a não ser comida.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Pedofilia: vigilância constante

Casos recentes de abuso sexual contra crianças e adolescentes trazem a tona um problema latente na humanidade: a pedofilia. Este não é um problema recente, mas que se arrasta por toda a existência do homem em sociedade.

Mas o que leva uma pessoa a praticar tal ação? Alguns especialistas afirmam que adulto s que foram violentados quando crianças podem tornar-se pedófilos em potencial. A atração por crianças é uma doença psicológica que se não tratada pode levar o individuo a cometer atos horrendos.

Geralmente o pedofilo é alguém próximo da criança, um professor um vizinho e até mesmo o próprio pai. Depois de violentada a criança torna-se reclusa, taciturna e desconfiada dos outros, chegando a pensar que ela própria é culpada daquela situação.

A internet é a maior aliada do pedofilo, que encontra nela uma forma de conversar sozinha com sua vitima. Sem a vigilância e o acompanhamento dos pais, a criança fica exposta e indefesa, tornando-se um alvo fácil para estes criminosos.

Informação, conversa e dialogo familiar são as armas que temos para lutar contra essa violência. Devemos ensinar nossas crianças a se defender deste mal, para que possamos por fim a esta chaga da sociedade.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Poesia no Jornaleco "(Meu) Papel"



(Meu) Papel
As palavras me puxam
Pelas linhas dos livros,
Ou pela tinta da caneta.
Há instantes em que me descubro,
Me expresso.
E digo a mim mesma
Que a poesia é um dom, uma certeza.
E que a imortalidade chega para mim,
num simples pedaço de papel.
Comandando como num quartel
Meus sentimentos e meus desejos.
Meu olhar paira sobre o mundo,
Mas, contudo,
Sou um simples poeta
Fazendo seu papel.
Mãe do Rio, 01 de outubro de 2006

domingo, 26 de setembro de 2010

1º Encontro Dialogando sobre o ECA com a Imprensa

No dia 21 de setembro, o Ministério Publico do Estado, por meio das Promotorias de Infância e Juventude, promoveu o “1º Encontro Dialogando sobre o ECA com a Imprensa”, no qual foi discutida a abordagem que os jornalistas dão as crianças e jovens em suas matérias.

Com o objetivo de esclarecer, os profissionais a respeito do ECA, o Promotor de Justiça Carlos Eugenio R. Salgado dos Santos assegurou que, a responsabilidade pela criança é da família, da sociedade e Estado, e a prioridade da criança e do adolescente é constitucionalmente reconhecida, “mas é claro que essa prioridade absoluta deve ser ponderada, pensada com bom senso, pois algumas situações devem ser pensadas para configurar essa prioridade.”


O Sistema de Garantia de Diretos da Criança e do Adolescente é formado por um conjunto de pessoas e instituições que atuam para efetivar os direitos infanto-juvenil, esse sistema trabalha com três eixos:


• Promoção: Formulação de políticas publicas, de responsabilidade do Estado
• Defesa: responsabilidade da família, sociedade e Estado
• Controle social: espaço da sociedade civil articulada em fóruns /frentes com a finalidade de preservar e fiscalizar os direitos legais.


Segundo Vânia Torres, Coordenadora Adjunta do Curso de Comunicação da UNAMA, “os relatos históricos e jornalísticos estão impregnados de subjetividades”, uma vez que as narrativas são produtos culturais inseridos em um contexto histórico, o desafio do jornalista é tentar mostrar o todo a partir de recortes da realidade. “As fontes fáceis nos ajudam na correria do dia-a-dia, por isso acabamos ouvindo sempre as mesmas pessoas. Nós sempre ouvimos o Governo e nunca a ONG.”


Segundo a Revista “Infância e adolescência na pauta da Mídia” da agencia UNAMA, em 24% dos jornais analisados a criança e o adolescente aparece nos jornais com a temática violência. O ECA tem encontrado muitos problemas em relação ao tratamento dado as criança e adolescentes pelos jornalistas, dai a necessidade do encontro. Vânia foi enfática ao dizer que, “para muita gente direitos humanos é coisa de minorias, coisa de preso; esse reducionismo acaba impossibilitando a transição da informação adequada.”


Para Ioná Silva de Souza, Coordenadora das Promotorias de Justiça da Infância e da Juventude, “é muito fácil culpabilizar e criminalizar a infância e a juventude, difícil é repensar a situação das crianças. Isso acirra o caos social em que a gente ta se afundado”. Ai que o Ministério Publico precisa do auxilio dos meios de comunicação, pois só se fala das conseqüências e não das causas dessas situações, “os meios de comunicação tem que apurar como esta sendo o resultado dentro do processo sócio-educativo.”


A verdade é que somente a partir de iniciativas como essa do Ministério Publico que tanto a imprensa como a sociedade vão repensar a modo como lidamos com isso, pois a solução não é a punição, mas a resposta adequada aos atos, e somos nós sociedade que estamos produzindo essa violência.


Mais informações:
SINJOR: http://www.jornalistasdopara.com.br/site/home.html
MPE:http://www.mp.pa.gov.br/not100917_00


Desculpem mais uma vez pelo atraso, mas eu estava estudando a Teoria dos Efeitos Limitados pra apresentar na aula de Teorias de Comunicação.


Obrigada pela compreensão.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A Igreja do Diabo



Trabalho realizado na disciplina Oficina de Texto da Professora Livia Barbosa, cujo objetivo era transcrever um conto para a linguagem audio-visual, podendo ou não sofrer alterações, no nosso caso optamos por fazer um trabalho com personagens femininos, uma vez que nosso grupo era formado em sua maioria por mulheres.

Trabalho realizado juntamente com Camille Nascimento, Brunella Velloso, Julieth Correa,Kleyton Silva, Wanessa Viana, Mara Tavares, Ana Karolinni Gomes e Juliana Angelin.

Este video é dedicado à Ivo Paes, pelo seu apoio, e por não deixar que esse material fosse perdido. Obrigada Ivo.

http://www.youtube.com/user/DebbCabral?feature=mhum

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A cortesia no mundo conteporaneo


Com o nosso cotidiano tão agitado, em que fazemos milhares de coisas ao mesmo tempo e nunca temos tempo pra nada, acabamos não reparando em certos valores e costumes que acabam se perdendo.


Demonstrações de cortesia sempre foram muito bem aceitas, principalmente antigamente quando o trato entre as pessoas sempre foi tão fino. Mas hoje em dia as gentilezas foram se banalizando, e há quem pense que quem diz “Bom dia” a todos que encontra é bajulador.
Ser gentil e educado não deveria ser motivo de espanto, mas com a tecnologia cada vez mais avançada, as relações interpessoais vão diminuindo, pois não é necessário mais dizer “Obrigado” e “Por favor. Não há mais espaço para a cortesia.
A conformidade com que lidamos com que lidamos com isso é impressionante. Não damos mais atenção a esses pequenos valores que estão se perdendo aos poucos. Mas devemos começar a mudar esse nosso costume errado, ou daqui a pouco seremos apenas maquinas sem emoção, que somente trocam informações e cumprem tarefas (ou será que já somos?).
Aqui tem um exemplo de como as pessoas estão cada vez mais mal educadas:

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Meu canal no You Tube


Agora tenho tambem um canal no You Tube, intitulado Debb Cabral, no qual postarei videos feitos no decorrer do meu curso na UFPA, e tambem os que vierem surgindo como ideias soltas na minha cabeça.

http://www.youtube.com/user/DebbCabral?feature=mhsn#p/f

Um olhar sobre a Cidade Velha - A história contada aos olhos de Oneide de Mello Bastos



Trabalho realizado na disciplina Oficina de Texto da Professora Livia Barbosa para os alunos do 1° semestre de jornalismo da UFPA, o objetivo deste trabalho era mostrar uma particularidade do bairro da Cidade Velha que é pouco abordada; no nosso caso, decidimos pela memoria pessoal que se mistura com a histórica.

Trabalho realizado com: Camille Nascimento, Brunella Velloso, Julieth Correa, Ana Karolinni Gomes, Raquel Trindade e Wanessa Viana.

http://www.youtube.com/user/DebbCabral?feature=mhsn#p/f

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Superação: Fruto de desafios


Obstáculos e desafios são situações comuns do nosso atribulado cotidiano. Uns mais difíceis que os outros, mas sempre com o mesmo objetivo: serem vencidos. Diante deles provamos nossa honra, nosso verdadeiro valor; a vitoria é mais bem saboreada quando lutamos bravamente para conquistá-la.

Quem nunca se pegou estagnado diante de um problema aparentemente sem solução? Ficamos desesperados, deprimidos, sem vontade de comer ou viver. Isso vai nos consumindo, tomando conta de nossas vidas. Pensamos em desistir, jogar tudo para o alto, correr, fugir, ou até mesmo o pior: a morte.

Percebemos então que apesar de tudo a vida continua e não temos que deixar sermos dominados por esses sentimentos e pensamentos negativos. Olhamos ao redor, pessoas dependem de nós, seja nossa família ou colegas de trabalho. A nossa força os inspira a não desistir nunca, a continuar lutando, mesmo que pareça não dar certo ou não tem solução.

São nas situações adversas que percebemos o quão valiosos são os pequenos momentos felizes. Nosso potencial se retrai ou se expande na proporção de nossa coragem, nas horas mais criticas; justamente para não nos deixarmos fraquejar e enfrentarmos com determinação os problemas.

Portanto devemos sempre brigar por aquilo que almejamos. Quando conquistamos o que quer que seja, ou superamos os desafios que a vida nos impõe, mostramos que não somos fracos e que podemos sim vencer. Sem obstáculos, nenhuma vitoria existe e só é digno do pódio aquele que lutou para alcançá-lo

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O charme da manga

Belém com suas praças repletas de mangueiras nos proporciona muita sombra e oferecem ótimos lugares para passeios e caminhadas. A Praça Batista Campos é a melhor para isso. Mas ouve um dia em que meu passeio não foi tão bom assim...

Depois de dar uma volta na praça, sentei em um banco, embaixo de uma de suas inúmeras mangueiras. Um jovem rapaz corria pela praça, e sempre que passava por mim ficava me olhando. Como ele era muito bonito, pensei que o meu futuro namorado estava a caminho.

Estava ventando muito, com isso eu não parava de passar a mão no cabelo e rosto pra arrumar o penteado e aproveitar pra fazer um charme.

Deu certo. Ele vinha em minha direção, sorrindo pra mim! E agora? Será que ia perguntar o meu nome, me chamar pra tomar um sorvete ou uma água de coco?

Parou ao meu lado. Abaixou-se. Encostou a boca no meu ouvido. Arrepiei-me. Mas o que eu ouvi me deixou estática. Ele disse que meu rosto e cabelo estavam todos sujos de manga. MANGA! Abri a minha bolsa. Olhei-me no espelho. Estava ridícula. Levantei, então vi que havia sentado em uma manga muito madura que havia sujado o banco todo, e quando fui ajeitar o cabelo, fazendo charme tudo o que consegui foi melar meu rosto e cabelo inteirinhos com minhas mãos sujas de manga.

Dei um sorriso amarelo, um obrigada sem graça. Fui embora, morrendo de vergonha.

Nunca mais voltei à praça.

PS: Texto antigo que eu achei que valia a pena a historia.
PS2:A personagem não sou eu ok.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Meu Twitter



Agora tenho twitter, me sigam e vamos nos COMUNICAR.


https://twitter.com/@debb_cabral

Caco Barcelos na feira do Livro


Com uma trajetória incrível, de taxista a jornalista, Claudio Barcellos de Barcellos, ou como é mais conhecido, Caco Barcellos, foi o convidado para o Encontro Literário do dia 29/08 na XIV Feira Panamazônica do Livro.
Apresentado por Adelaide Oliveira, o encontro se mostrou esclarecedor.
Caco foi muito gentil e simples. Os jovens jornalistas estavam ansiosos, pois na sua frente estava o homem que mostrou que é possíveil sim, jornalistas iniciantes fazerem grandes reportagens, desde que tenham orientação adequada.
Quando perguntado por Adelaide Oliveira, qual a essência da boa reportagem, Caco foi enfático, “é respeitar o pior dos bandidos da mesma forma que você respeita o Presidente da Republica”.
Um trabalho ético, que mostra o contexto, sem desvalorizar nenhum personagem, esse é o jornalismo de Caco Barcellos, “toda regra que vale para o cidadão comum vale para a gente. Ético ou não ético é o profissional, quando a gente pensa em ética tem que pensar nas pessoas que usam os meios”.
Caco diz o que muitos jornalistas parecem ter esquecido, “a culpa de quem é mal informado não é de quem é mal informado, mas de quem informa".
Hoje com a descentralização da informação, redes sociais, Blogs e Twtters, se mostram como novas ferramentas de comunicação, “a mídia social é uma grande forma de democratização do modo que a a gente faz jornalismo”.
Quando perguntado como é a sua independência editorial diante de um império da comunicação como a Rede Globo, Caco não teve duvida, “um profissional serio tem sua independência respeitada”.
E foi com profissionalismo que Caco e seus jovens jornalistas conseguiram que o Profissão Repórter (que era um quadro no Fantástico) conseguisse sua independência e tivessem seu próprio programa.
Caco Barcellos é sem duvida um grande jornalista, não descansa e não tem medo. Trabalha um novo formato de jornalismo, fazendo uma revolução no modo de informar. É um grande exemplo, principalmente para aqueles que assim como eu estão começando sua trajetória no jornalismo.


quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Combate a fome: ação imediata


Medo, dor raiva, vergonha, humilhação. A fome não vem só, mas associadas a esses e outros sentimentos, ela destrói fisicamente e emocionalmente.

Achamos que nossos problemas pessoais são os piores que existe, mas aqueles que sentem na carne o que é não saber quando terão sua próxima refeição, são os que realmente sofrem.

O combate a fome deve ser imediato. A todo o momento há indivíduos morrendo de desnutrição, carência de vitaminas e outros males associados à falta de alimento. Crianças desconhecem sonhos, amadurecem cedo diante do sofrimento que vivenciam.

A demanda de merenda escolar, cestas básicas, cupons de alimentação deve ser maior, desde que ven
ham aliados a campanhas contra a desnutrição e de educação alimentar. Programas sociais devem ser usada de maneira certa, objetiva e organizada, para que os indivíduos beneficiados não sintam como se recebessem esmola, mas sim uma ajuda digna, uma alavanca social.

Essas ações não estão restritas aos nossos governantes, mas a tosos nós como indivíduos ativos da sociedade. Devemos rever nossos conceitos, conscientizar familiares e amigos, fazer a nossa parte. Essas são as nossas armas na guerra contra a miséria social e a favor da conquista da dignidade humana, mas devemos ser rápidos, pois a fome não espera.

Devemos nesse tempo de eleição ver as propostas dos candidatos e tudo que eles fizeram em seus mandatos anteriores, para não votarmos em vão.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Cidadãos das ruas

Ao caminharmos pelas ruas de nossas cidades, não reparamos ou fingimos não reparar em algumas pessoas que vivem nas ruas. Até o momento em que somos abordados por aquele menino no sinal dizendo: “Tio, me dá uma moeda aí!”. É quando olhamos aquela pequena criatura, suja, magra, sem expressão. Então damos a moeda (ou não) e seguimos com nossas vidas.

Mas como aquele menino chegou àquela situação? E aquelas famílias inteiras que vivem nas ruas? Muitas vezes quando os
pais estão desempregados, os filhos são obrigados a passar os dias nas ruas, pedindo dinheiro, e quando voltam pra casa com pouco, apanham por não o fazerem direito.

Jovens viciados são expulsos de casa quando a família não suporta mais aquela situação, vão para as ruas pedir dinheiro,
revirar sacos de lixo atrás de restos de comida.

Quantos mendigos não vivem em nossas cidades se alimentando daquilo que consideramos restos, disputando com cachorros e gatos aquela comida já estragada do lixo.

Lutamos tanto por direitos iguais, mas só lutamos quando esse direito nos favorece. Devemos lutar para que possamos tirar das ruas aquele pequeno cidadão que outrora nos pediu dinheiro no sinal.


sábado, 21 de agosto de 2010

Redação do Soufran na Net

Quando a gente não tem mais o que fazer na internet e se depara com a página vazia do Google na nossa frente o que fazemos? Uns desligam o computador, outros vão rever o que já viram, outros vão jogar na Fazendinha, etc.

Eu digito o meu nome completo no Google, pra ver o que aparece, na esperança da fama ter me achado.

Adivinha o que eu achei, a minha redação que fiz para o Concurso de Redação do Cirio de 2009, no blog do Colégio Souza Franco.

É talvez a fama já tenha me achado e eu não tinha percebido.

O link do blog com a redação:
http://soufran.blogspot.com/2009/10/concurso-de-redacao-do-cirio-2009.html

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Bella: a suicida adolescente

Nessas férias fui assistir o terceiro filme da saga Crepusculo. Eclipse se mostrou melhor
em seus efeitos especiais do que seu pioneiro.

Mas não estou aqui para falar disso, o que muito me preucupa na saga é a Bella, que se mostra uma personagem melacólica, sem vida, mesmo ao lado de seu amado vampiro Edward.

Pensando nessa situação decidi resgatar uma crítica que havia feito para a aula de Oficina de Texto do Curso de Jornalismo da UFPA.

Aqui segue o texto:

"Que a saga Crepusculo é um fenomeno mundial ninguem discute, mas até que ponto isso pode prejudicar ou influenciar psicologicamente que lê.

Não percebemos Bella alegre e descontraida quando esta com seu amado vampiro Edward, ala precisa dele como p
recisa respirar, se coloca como um satélite em sua orbita. É esse novo jeito "moderno" e suicida que nossas jovens buscam para amar.

Bella quase morre de depressão em Lua Nova e sem perceber encontra a verdadeira felicidade ao lado de Jacob, seu amigo lobisomem. Com ele ela ri e se diverte naturalmente, e mesmo assim ela o abandona para ir salvar aquele que a deixou para morrer de solidão.

É esse tipo de amor que queremos? Trocar uma felicidade espontânea com alguém que nos anima e ficar ao lado de alguém com quem não se permite sorrir?

Bella já fez a escolha por nós."

Eu li os três primeiros livros da Saga (só não li o ultimo porque ainda não tive tempo) e assistir os três filmes. Essas informações são importantes porque não estou criticando o que eu desconheço.

sábado, 17 de julho de 2010

Volta do Diploma de Jornalista

Essse é o link do site do Diario do Pará, da matéria em que uma comissão da Câmara dos Deputados aprovou a volta do diploma de jornalista.

É importante.
Leiam e repassem
http://www.diariodopara.com.br/N-99803-COMISSAO+APROVA+A+VOLTA+DO+DIPLOMA+DE+JORNALISTA.html

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Biblioteca Central, espaço desconhecido em sua totalidade


Com um acervo de mais de 850 mil volumes, a Biblioteca Central da UFPA se configura hoje como um espaço que tem seu uso restrito apenas ao empréstimo de livros.


Dentre todos os serviços que oferece tomando como exemplo o espaço Braille, que foi criado há três anos é desconhecido por grande parte dos universitários que possuem essa necessidade especial. Hoje essa ala conta basicamente com um aluno, Agnaldo, do Curso de Letras, que solicita a digitalização do material das aulas.

Está em andamento à conclusão da Estação de Pesquisas Acadêmicas, que vai contar com 20 terminais, com acesso a internet gratuita. Durante um período de 40 minutos, qualquer um, inclusive não alunos, podem fazer suas pesquisas e trabalhos. O tempo poderá ser estendido se não houver demanda por uso.

O setor de Obras Raras funciona em uma sala sem climatização adequada para este tipo de material, os livros estão se decompondo, empoeirados e fedorentos.

O prédio conta com poucos extintores de incêndio e os que possui estão com o prazo de validade vencido. Segundo Lucila, funcionária do Setor de Obras Raras, os funcionários não estão treinados para um possível incêndio, não houve capacitação para que aprendessem a utilizar o extintor e orientar os alunos para a saída do prédio.

A área central de leitura e estudos está com o ar condicionado quebrado e durante a tarde o calor é quase insuportável.

O setor de empréstimos é uma das poucas áreas que funcionam regularmente e sem maiores problemas. A universidade oferece para maior praticidade a renovação do empréstimo de livros on-line que possibilita ao aluno estender o prazo caso não haja demanda por este material.

Assim em seus 48 anos de existência, a Biblioteca Central da UFPA se mostra desconectada com as bibliotecas dos institutos, pouco atrativa e desconfortável para os alunos.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Fabula existencial super breve


No tempo em que o tempo não era dinheiro, o homem-cordeiro se encontrava a pensar no Riacho dos valores, foi quando o Lobo-Capitalismo disse:

-Porque está a poluir de questionamentos o meu Riacho de Valores?

-Como posso não questionar se seus valores surgiram a partir dos meus questionamentos?

-Se não és tu que está a poluir, foi então o teu pai, porque desde o principio, o homem é o lobo do próprio homem, foi quando tu me criaste para ser teu lobo.

O Homem-cordeiro estremeceu e disse:

-Se fui eu que te criei, então, posso me abster desse riacho.

Então o Lobo-capitalista engoliu enfurecido o Homem-cordeiro

MORAL: Às vezes mesmos indigestos, os homens-cordeiros revolucionários são engolidos pelo Lobo-capitalista.

Por: Deborah Cabral, Mara Tavares, Julieth Correa, Camille Nascimento, Wanessa Viana e Brunnela Veloso

Oficina de Texto-2010

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Assassinato revelado 40 anos depois



Maus tratos levam ao assassinato. Enfermeiro domiciliar confessa que matou seu paciente no dia 24 de agosto de 1960 numa vila no interior do Rio de Janeiro.

Depois de sofrer varias agressões físicas e morais, o enfermeiro Procópio José Gomes Valongo, num surto de raiva matou seu paciente, o Coronel Felisberto, após o coronel arremessar uma moringa contra ele. O enfermeiro pulou na cama e o esganou até a morte.

Depois de matá-lo, o criminoso cuidou de seu funeral, sempre lembrando o coronel -que era odiado na cidade- como uma pessoa boa. Pessoas que estiveram presentes relatam que ele aparentava estar muito sentido.

Na leitura do testamento do falecido Coronel, descobriu-se que o enfermeiro era o único herdeiro. O criminoso que já estava morando na Corte foi à vila do interior e recebeu a herança. Mandou até fazer um tumulo de mármore ao falecido. Sem despertar nenhuma desconfiança por parte dos moradores do local.

O crime já havia sido confessado a um escritor, que o publicou somente hoje, 40 anos depois, porque o assassino só o permitiu depois de sua morte,ficando impune de seu crime.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Assassinato de Primeira Pagina



Assistam o assassinato de primeira página,video da disciplina Oficina de Texto da Professora Livia Barbosa da UFPA.

Turma de Jornalismo 2010.

Vale a pena ver...

Bjus.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Santo Daime:Alucinação e Crime



Fundador da Igreja Céu de Maria, o cartunista Glauco foi juntamente com o seu filho Raoni, assassinado por Carlos Eduardo Sundfld Nunes, esquizofrênico, viciado em cocaína e maconha, que procurou na Igreja uma forma de se livrar do vicio.

O Daime é formado pela mistura de duas plantas nativas da Amazônia: o cipó-jagube e a erva-rainha; que trituradas e cozidas formam um potente alucinógeno causador de alterações emocionais, delírios e perda de consciência.

Legalizado em 1992 pelo governo brasileiro para uso em seitas religiosas, sem estudos científicos aprofundados e seguros sobre os riscos para a saúde mental daqueles que fazem uso constante na forma de chá, o Santo Daime é utilizado sem limites, ao contrario do que uma substancia química e alucinógena deveria ter.

Enquanto isso testemunhamos esse trágico episodio em que uma droga travestida de ritual sagrado certamente foi de grande contribuição.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Blogosfera: lugar de conteúdo!!!



Os meios sociais de comunicação são aqueles que utilizam ferramentas para estimular a participação dos indivíduos nas redes sociais. O nosso papel neles e na blogosfera é trocar experiencias, ideias, difundir e criar conteúdos.

Agora com o jornalismo participativo não nos contentamos apenas em receber informações e tomá-las como verdade absoluta. A necessidade é de produção, e todos nós somos capazes de produzir conteúdo bom e de qualidade.

Os blogues são o maior exemplo de jornalismo participativo, milhões de indivíduos que tem na Web o seu lugar de falar, fugindo da produção de massa dos grandes meios.

Portanto participe, crie um blog, divulgue suas ideias, que sabe nelas não estão a solução de um problema da humanidade, que só não foi resolvido porque você não teve a oportunidade de falar.

Ou mesmo que seja uma opinião sobre qualquer assunto, ela é muito importante, cada opinião gera um debate novo, e cada debate gera possíveis soluções.

Contribua.

Abra seu bocão e diga tudo o que pensa.

Esse é o seu papel e aqui é o lugar.

Os jornalismos da Web: caracteristicas e diferenças



* O jornalismo 1.0 nasceu quando os grandes meios de comunicação fizeram a transposição do seu
conteúdo para a Web sem nenhum trabalho de alterá-los para a nova mídia;

* O jornalismo 2.0 ocorreu quando as empresas que surgiram a partir da internet começaram a criar conteúdo exclusivamente para a Web,esse conteudo agrega as características do Web jornalismo que nós já estudamos(multimidialidade, interatividade, hipertextualidade e memória, customização;

* O jornalismo 3.0 é a fase de socialização da informação, onde as pessoas intervem diretamente na mensagem, fazendo a noticia com testemunhos diretos por parte dos blogueiros e internautas. É interativo e muito mais dinâmico,pois os internautas produzem o conteúdo que é realmente de seu interesse, se voltando contra a comunicação massiva

É isso aí, agora nós que produzimos a noticia.
Somos capazes de escolher o que é interessante e valhe a pena ser lido ou produzido.
São as nossas ideias que irão ecoar lá fora!!!!!!!!!!!!!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Retrato do trasporte de onibus de Belém



No dia 22 de abri, quando voltava pra casa peguei o ônibus da empresa Rio Guamá Linha Guamá Presidente Vargas AP-31613 as 11h04min. Rapidamente quando eu e as outras pessoas da parada subimos no veiculo formou-se uma enorme fila, somente quando cheguei perto da roleta descobri o motivo para tamanha desordem: o digníssimo cobrador estava batendo um papinho no celular, atrasando todo o seguimento do trajeto.

Eu ainda estava em pé no meio das escadas quando o motorista arrancou o ônibus, sem ao menos se importar com dois estudantes que estavam pendurados na porta aguardando a desobstrução da catraca.

Quando chegou a minha vez de passar, o cobrador já havia terminado sua conversa, mas assim que passei o celular tocou e ele atendeu, recomeçando a tagarelar, sem se importar com a fila formada e com os dois jovens pendurada no ônibus.

Detalhe, o ônibus estava vazio na parte de trás, os estudantes somente estavam pendurados devido à falta de respeito do cobrador que atrasou a passagem para conversar no celular, e a imprudência do motorista que dirigiu com passageiros na porta do veiculo, mesmo sabendo que isso não é permitido.

Na esquina da Travessa Teófilo Conduru e a Avenida Gentil Bittencourt em Canudos, o motorista não parou para um senhor de idade que estava sozinho na parada.
Quando dei sinal para ele parar na esquina da Travessa Teófilo Conduru com a Avenida Cipriano Santos, ele não o fez, parando somente no ponto de ônibus, seguinte sob xingamento de vários dos passageiros, inclusive os que não iam descer, mas que se sentiram ofendidos pela atitude do motorista.

Fiquei indignada.

Eu anotei a placa do ônibus: NSL 8520.

Essa é uma cena constante que tenho certeza que a maioria de vocês já passou.
Motoristas e cobradores enrolam nas garagens conversando besteiras, e quando saem é correndo para não perder a hora, então não param nas paradas e/ou param em locais diferentes dos quais foram solicitados.

Outro fato absurdo é o de muitos motoristas não pararem em pontos de ônibus com idosos, estudantes e portadores de necessidades especiais. Uma vez que só querem transportar aqueles que pagam o absurdo que é uma passagem de ônibus inteira.

São contra a meia passagem e o passe sênior dos idosos, mas duvido que gostariam que seus filhos pagassem a passagem inteira, ou que quando ficassem velhos não iriam querer viajar sem pagar, afinal eles que trabalharam tanto a vida toda merecem esse direito, não é?

Não tem paciência para esperar que um portador de necessidades especiais suba e se acomode no lugar destinado a eles, por isso “queimam” as paradas em que eles estão.
Sei que existem bons profissionais (Graças a Deus!), mas infelizmente são poucos os que fazem seu trabalho sem desrespeitar os outros.

Ônibus sucateados, motoristas e cobradores imprudentes, passagem de ônibus cara. Esse é o retrato do nosso serviço de transporte municipal de Belém. Peço por favor, que tenham mais responsabilidade e respeito por todos os que usam o transporte coletivo.
A mudança de conduta ajudaria a salvar vidas, principalmente as suas.

Obrigada.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Critica Cinematográfica - O Senhor das Armas


Ficha Técnica

Título do filme:
O Senhor das Armas (Lord of War)
Ano de realização: 2005
País de origem: Estados Unidos
Direção: Andrew Niccol
Elenco principal: Nicolas Cage, Bridget Moynahan, Jared Leto, Ethan Hawke.


O Senhor das Armas é acima de tudo um filme inteligente. Principalmente por propor expor um tema de grande importância e que pouco conhecemos: o tráfico de armas.

Bem construído e bem interpretado, o filme conta a historia de Yuri Orlov ( Nicolas Cage) um imigrante ucraniano que mora com toda sua família nos EUA. Cansado e sem perspectiva por ver que em toda a sua vida ele não construiu nada e por viver uma vida medíocre, Yuri presencia um assassinato e se interessa pela venda de armas, tornando-se em pouco tempo um dos maiores traficantes de armas do mundo.

Orlov constrói sua vida em cima de uma teia de mentiras, sem hesitar sobre o que esta fazendo, dedica-se inteiramente ao seu trabalho. Quando o agente da Interpol Jack Valentine (Ethan Hawke) começa a persegui-lo, ele começa a refletir sobre o que fez e faz.

O filme mostra as relações de poder no mundo e como elas afetam a todos, principalmente os mais pobres (isso foi muito bem apresentado nos créditos da abertura, com todo o trajeto de uma bala, desde sua fabricação em uma grande e moderna indústria até parar na testa de uma criança de um país subdesenvolvido e extremamente pobre).

Irônico e satírico em suas reflexões e principalmente em suas respostas à Valentine, Yuri destrincha o tráfico de armas, os jogos de interesse e de poder que o dominam.

Assim como conseguiu, Orlov perdeu tudo para o tráfico de armas, mesmo com o abandono de sua mulher e filho, o que ele mais sentiu foi quando seu irmão Vitalli (Jared Leto) - personagem essencial, que apesar de ser mais novo possui a consciência que Yuri não tem ou demonstra não ter - é assassinado em um de seus negócios.

Essa é com certeza uma história de impacto, um trabalho muito bem feito e estruturado, e que merece ser visto não uma mas varias vezes, pois trás a reflexão sobre um tema de grande relevância e constante no mundo atual.