sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Cidadãos das ruas

Ao caminharmos pelas ruas de nossas cidades, não reparamos ou fingimos não reparar em algumas pessoas que vivem nas ruas. Até o momento em que somos abordados por aquele menino no sinal dizendo: “Tio, me dá uma moeda aí!”. É quando olhamos aquela pequena criatura, suja, magra, sem expressão. Então damos a moeda (ou não) e seguimos com nossas vidas.

Mas como aquele menino chegou àquela situação? E aquelas famílias inteiras que vivem nas ruas? Muitas vezes quando os
pais estão desempregados, os filhos são obrigados a passar os dias nas ruas, pedindo dinheiro, e quando voltam pra casa com pouco, apanham por não o fazerem direito.

Jovens viciados são expulsos de casa quando a família não suporta mais aquela situação, vão para as ruas pedir dinheiro,
revirar sacos de lixo atrás de restos de comida.

Quantos mendigos não vivem em nossas cidades se alimentando daquilo que consideramos restos, disputando com cachorros e gatos aquela comida já estragada do lixo.

Lutamos tanto por direitos iguais, mas só lutamos quando esse direito nos favorece. Devemos lutar para que possamos tirar das ruas aquele pequeno cidadão que outrora nos pediu dinheiro no sinal.


sábado, 21 de agosto de 2010

Redação do Soufran na Net

Quando a gente não tem mais o que fazer na internet e se depara com a página vazia do Google na nossa frente o que fazemos? Uns desligam o computador, outros vão rever o que já viram, outros vão jogar na Fazendinha, etc.

Eu digito o meu nome completo no Google, pra ver o que aparece, na esperança da fama ter me achado.

Adivinha o que eu achei, a minha redação que fiz para o Concurso de Redação do Cirio de 2009, no blog do Colégio Souza Franco.

É talvez a fama já tenha me achado e eu não tinha percebido.

O link do blog com a redação:
http://soufran.blogspot.com/2009/10/concurso-de-redacao-do-cirio-2009.html

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Bella: a suicida adolescente

Nessas férias fui assistir o terceiro filme da saga Crepusculo. Eclipse se mostrou melhor
em seus efeitos especiais do que seu pioneiro.

Mas não estou aqui para falar disso, o que muito me preucupa na saga é a Bella, que se mostra uma personagem melacólica, sem vida, mesmo ao lado de seu amado vampiro Edward.

Pensando nessa situação decidi resgatar uma crítica que havia feito para a aula de Oficina de Texto do Curso de Jornalismo da UFPA.

Aqui segue o texto:

"Que a saga Crepusculo é um fenomeno mundial ninguem discute, mas até que ponto isso pode prejudicar ou influenciar psicologicamente que lê.

Não percebemos Bella alegre e descontraida quando esta com seu amado vampiro Edward, ala precisa dele como p
recisa respirar, se coloca como um satélite em sua orbita. É esse novo jeito "moderno" e suicida que nossas jovens buscam para amar.

Bella quase morre de depressão em Lua Nova e sem perceber encontra a verdadeira felicidade ao lado de Jacob, seu amigo lobisomem. Com ele ela ri e se diverte naturalmente, e mesmo assim ela o abandona para ir salvar aquele que a deixou para morrer de solidão.

É esse tipo de amor que queremos? Trocar uma felicidade espontânea com alguém que nos anima e ficar ao lado de alguém com quem não se permite sorrir?

Bella já fez a escolha por nós."

Eu li os três primeiros livros da Saga (só não li o ultimo porque ainda não tive tempo) e assistir os três filmes. Essas informações são importantes porque não estou criticando o que eu desconheço.