quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O charme da manga

Belém com suas praças repletas de mangueiras nos proporciona muita sombra e oferecem ótimos lugares para passeios e caminhadas. A Praça Batista Campos é a melhor para isso. Mas ouve um dia em que meu passeio não foi tão bom assim...

Depois de dar uma volta na praça, sentei em um banco, embaixo de uma de suas inúmeras mangueiras. Um jovem rapaz corria pela praça, e sempre que passava por mim ficava me olhando. Como ele era muito bonito, pensei que o meu futuro namorado estava a caminho.

Estava ventando muito, com isso eu não parava de passar a mão no cabelo e rosto pra arrumar o penteado e aproveitar pra fazer um charme.

Deu certo. Ele vinha em minha direção, sorrindo pra mim! E agora? Será que ia perguntar o meu nome, me chamar pra tomar um sorvete ou uma água de coco?

Parou ao meu lado. Abaixou-se. Encostou a boca no meu ouvido. Arrepiei-me. Mas o que eu ouvi me deixou estática. Ele disse que meu rosto e cabelo estavam todos sujos de manga. MANGA! Abri a minha bolsa. Olhei-me no espelho. Estava ridícula. Levantei, então vi que havia sentado em uma manga muito madura que havia sujado o banco todo, e quando fui ajeitar o cabelo, fazendo charme tudo o que consegui foi melar meu rosto e cabelo inteirinhos com minhas mãos sujas de manga.

Dei um sorriso amarelo, um obrigada sem graça. Fui embora, morrendo de vergonha.

Nunca mais voltei à praça.

PS: Texto antigo que eu achei que valia a pena a historia.
PS2:A personagem não sou eu ok.

2 comentários:

  1. Estudante de Jornalismo do 2° semestre! Que coincidência. Só a cidade, a região é que são diferentes, mas é tudo jornalismo, não é verdade?

    Estou te seguindo via blog Declarando.blogspot.com.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  2. com certeza
    o jornalismo une a todos nós.

    ResponderExcluir