terça-feira, 18 de outubro de 2011

Tem paraense saltando para Guadalajara: Entrevista com Rui Marinho

Foto: Satiro Sodre/ CBDA

O garoto que começou saltando sobre serragens na Terra Firme, é uma das promessas do Saltos Ornamentais do Brasil no Pan de Guadalajara.
Com 24 anos, Rui Marinho tem como principais conquistas o Vice-campeonato Sul-americano na Colômbia, a Medalha de Bronze no Circuito Mundial no Canadá, e o Campeonato Brasileiro, todos em 2009.
Em um bate-papo descontraído Rui contou um pouco de sua carreira e falou de suas expectativas para os seus primeiros jogos Pan americanos.


Deborah - Há quanto tempo você pratica o Salto Ornamental?
Rui - Há oito anos. Mas eu  comecei pulando na serragem, antigamente havia muito disso na Terra-firme. E eu me destacava, entao resolvi fazer saltos.

Deborah - Como assim pular serragem? Aquela serragem de madeira? É isso mesmo?
Rui - Sim. Quando eu estiver ai (em Belém) vou te convidar a ir em uma serragem (risos).

Deborah - Eu vou. Só pra ver como que é (risos). E como você passou da serragem pro Salto Ornamental?
Rui - Convite  de um amigo que já fazia, mais fui só pra tomar banho de piscina (risos). Tudo deu certo e hoje eu to na seleção.

Deborah -  Pelo esporte que lugares você já conheceu?
Rui - Muitos lugares. Já disputei na Itália, Estados Unidos, Canadá, Chile, Colômbia, China, Sérvia e agora o México.

Deborah -  Quando você foi classificado para o Pan, você disse que a sua meta para 2011 estava cumprida. Mas você conseguiu chegar na forma física desejada? Com é o seu treinamento?
Rui - Treino sete horas por dia, e o principal objetivo desse ano é realmente o Pan. Nós nunca estamos preparados, sempre temos um limite a ser alcançado, acredito que ainda falta muito pro limite, mas estou bem concentrado isso e o mais importante.

Deborah - Em julho você e o Hugo Parisi foram eliminados da plataforma sincronizada em Xangai no Mundial de Desportos Aquáticos. Agora na classificação pro Pan, vocês dois tiveram pontuações bem acima do índice estipulado pela Confederação Brasileira. Como você vê isso? São dois extremos do seu desempenho em tão pouco tempo.
Rui - Se nos fizermos a mesma pontuação acredito que pode sair medalha. O Pan tem menos atleta, e  é mais fraco. Vou torcer pra que tudo de certo.


Deborah - Qual a tua expectativa pro Pan? E a da sua familia? Ela acompanha o seu treinamento e campeonatos?
Rui - A gente está com objetivo de medalha no sincronizado. A família não acompanha por que eu moro aqui em Brasilia, mas sempre que sai na TV ou  jornal eles acompanham.


Rui mora e treina em Brasilia, e disputará as provas nos dias 28 e 30 de outubro, no individual e na plataforma sincronizada com Hugo Parisi em Guadalajara.
Mais informações sobre ele e outros atletas dos Saltos Ornamentais da Seleção Brasileira: http://www.cbda.org.br/esporte/saltos-ornamentais

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Programa Conectado


Trabalho da disciplina Introdução ao Radio jornalismo da UFPA.
Foi feita uma pesquisa em campo com uma Rádio Comunitária de Belém, a rádio escolhida foi a Erê FM. Conhecidos rotina, publico e alcance da mesma, foi produzido um piloto de um programa educativo, sendo que ele deveria ser dinâmico e contar com a participação do publico.
Trabalho realizado com Brunella Velloso, Camille Nascimento e Julieth Corrêa, orientação Professora Luciana Miranda.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O Brasil dos "extremos" em Bienal na Bélgica

By Luiz Braga
A 23a Bienal Europalia Arts Festival, um dos principais eventos europeus no campo das artes, terá em 2011 o Brasil como país homenageado. São 470 eventos, 300 atrações de música, dança, teatro, circo, artes e eventos de literatura e cinema em mais de 200 espaços culturais da Bélgica e países vizinhos. Estima-se que ultrapasse os 2 milhões de visitantes. Serão 1.700 obras de arte brasileira que vão integrar 13 exposições que irão ocorrer de 04 de outubro de 2011 até 15 de janeiro de 2012. 


O núcleo de Fotografia Contemporânea Brasileira terá o título “Extremos”, curado pelo paraense Guy Veloso e pela paulista Rosely Nakagawa, mostrará em três galerias do Museu Bozar, em Bruxelas, “um país de dimensões continentais, onde opulência e pobreza convivem lado a lado, e os opostos são unidos por um só nome, bandeira e língua”. Retratando e interpretando este universo tão diverso que é o Brasil. 


Os fotógrafos convidados a integrar a mostra são: Adenor GondimAnderson SchneiderAndré CyprianoAndre VieiraCarlos MoreiraCássio VasconcellosClaudia AndujarCristiano MascaroGustavo LacerdaJosé BassitMestre Julio SantosLuiz BragaMaureen Bisilliat, Paula SampaioPedro LoboRicardo LabastierThomaz Farkas (em memória), Tiago Santana e Walter Firmo.

Segundo o curador e também fotógrafo Guy Veloso (que expôs recentemente na XXIX Bienal de SP), "Extremos traz um país divisado pelos contrastes, mas sem fronteiras de criação; investiga a própria atualidade, exercendo leituras de si e do mundo”. 


Twitter: @europalia / Sites: www.europalia.be e www.bozar.be 

Texto: Deborah Cabral