sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Mesa-redonda sobre gênero, raça e representação negra marca abertura de seminário no IFCH


           O evento é uma realização em conjunto do II Seminário sobre Pesquisas em HIV e do I Seminário sobre gênero e raça na UFPA, que tem como objetivos as trocas cientificas entre pesquisadores, estudantes e profissionais  além de discutir as temáticas de gênero, raça e politicas publicas.

Eleanor Palhano, representante da Casa Brasil África iniciou sua fala sobre os projetos desenvolvidos na UFPA para a raça negra, em especial a Casa Brasil África que realiza estudos internacionais sobre a representação do negro na sociedade. Em sua apresentação traçou um panorama do histórico da Casa e do continente africano. Ressaltou ainda, a necessidade de que mais brasileiros comecem a viajar para os países da África, o que não ocorre atualmente, pois segundo ela há um desinteresse pela história da civilização africana, gerando com isso a reprodução de visões equivocadas sobre o negro. “Nós ainda não superamos esse racismo, temos muito que fazer, e que estudar”, enfatiza.

Cristiane Gonçalves, da UNIFESP falou dos estudos realizados sobre a temática “Juventude, gênero e raça”. Através da apresentação de marcadores sociais que informam e constroem representações de hierarquias e discriminação, ela mostrou os sistemas classificatórios como resultados de produções culturais e históricas. Em sua fala foi possível observar a necessidade de que as politicas públicas sejam estruturadas a partir da compreensão complexa entre marcadores sociais e diferença, e para que isso ocorra de maneira efetiva é fundamental que o conhecimento para a formulação dessas politicas públicas venha a partir dos territórios e dos sujeitos envolvidos.

A psicóloga e professora de psicologia Dorotea Cristo, participante do evento, ressaltou a importância de um seminário como esse e da necessidade de se trabalhar essas questões dentro da universidade. “Você falar de gênero, de relações raciais, temas que a psicologia atualmente vem debatendo é muito importante, pois ai se faz a relação de uma coisa com a outra. Você amplia e não reduz o debate, esse é o diferencial”.

A programação do II Seminário sobre Pesquisas em HIV e I Seminário sobre gênero e raça na UFPA vai até amanhã (22), e inicia às 14h no auditório do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - IFCH.

Nenhum comentário:

Postar um comentário